Confederação de motoristas vai à Justiça


Compartilhe com os Amigos
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

 

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes Terrestres (CNTTT), que representa os motoristas empregados, não vê nenhum aspecto positivo no exame. Pelo contrário, tenta derrubá-lo na Justiça por meio de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade. Segundo o representante da entidade, Luiz Antonio Festino, a ação está parada no Supremo Tribunal Federal (STF) desde a morte do relator, o ministro Teori Zavascki, em janeiro. “Estamos tentando falar com o novo relator, ministro Alexandre Moraes, para ver se ele mantém a proposta de uma audiência pública no Judiciário sobre os exames toxicológicos, que era proposta do ministro Teori.”

A exigência do exame é vista com reserva. Para o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Carga de São Paulo, Tayguara Helou, o exame não cumpre seu objetivo. “Para as empresas, não trouxe o efeito necessário para que possamos encarar o mundo das drogas”, afirma.

Ele defende que as transportadoras deveriam escolher o momento certo para fazer o exame. “O ideal seria ter a aplicação de tal exame nos planos de combate ao uso de bebidas e drogas das empresas, que deveriam ter liberdade para escolher o momento da sua conveniência para utilizar essa metodologia”, declara.

Marcos Egídio Battistella, presidente do Sindicato das Transportadoras do Paraná, diz que “o exame em si é uma coisa boa” e que a entidade é favorável a ele. Mas ressalta que o custo é alto e que a insegurança jurídica das empresas aumentou. “Se o exame dá positivo, nós temos que de alguma forma nos responsabilizar pelo tratamento do motorista. O governo faz as leis e joga a conta no empresário”, critica.

Já o presidente do Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos de São Paulo, Norival Almeida, considera o exame um “mal necessário”. “Mas está havendo muita fraude, com motorista emprestando cabelo para fazer o exame”, afirma. De fato, reportagem da Rádio CBN flagrou em fevereiro uma autoescola de Diadema (SP) vendendo laudo negativo de exame toxicológico por R$ 1 mil. Isso foi amplamente divulgado.

Almeida considera o valor do teste muito alto e diz que a obrigatoriedade está dando uma fortuna para os laboratórios. Estima-se que, no ano passado, eles tenham faturado R$ 300 milhões só aí.

PREÇO EM BAIXA – O biomédico Claudio Sodré, diretor técnico do Laboratório Sodré, de Marília (SP), diz que o preço do exame é alto porque a metodologia utilizada e a logística são caras. “Os laboratórios precisaram fazer investimentos muito grandes”, afirma. Mas ele diz que os preços estão caindo. “Nós começamos cobrando R$ 300 e, em alguns locais, já está R$ 235.” Mas não devemos esperar mais reduções. A tendência, segundo ele, é que estabilize na casa dos R$ 230.

 

FALA CAMINHONEIRO

Acho que a lei veio para beneficiar os motoristas que veem sua profissão como trabalho sério e honesto, porque quem não faz uso de substâncias ilícitas não tem nada com que se preocupar. A lei está aí para tirar das ruas os maus elementos. Eu fiz o exame, não tive custo pois foi a empresa que pagou. Sou contra o motorista ter que arcar com esta despesa.

Eliardo Locatelli, melhor motorista do ano de 2016 no Concurso da Scania, de Carazinho (RS)

 

O exame deveria ser como o do bafômetro, de surpresa, porque a pessoa fica seis meses sem usar a droga, faz o exame e começa a usar de novo. E depois existem Estados onde liminares suspenderam os exames, o drogado pode mudar de endereço para renovar a habilitação. Nós, que não usamos drogas, temos que pagar pelos exames por causa dessa gente.

Marlene Heinen, de Planalto (PR), na foto com seu marido Eleseu

 

Fala-se muito em uso de rebite por caminhoneiros, mas o que mais vejo nas estradas é motorista consumindo cocaína. Para alguns motoristas não importa se o frete é ruim, o que vale é a comissão da viagem, o dono de caminhão pode não ter lucro nenhum, mas o motorista tem sua comissão garantida. Por isso sou a favor do exame.

Eucleres Bello de Campos Neto, Casimiro de Abreu (RJ)

Estou achando ótima a implantação do exame obrigatório. Só reclamo do valor cobrado. Com a exigência do exame, já percebo mudanças de comportamento de alguns motoristas que a gente encontra pelas estradas.

Noemy Nascimento dos Santos, caminhoneira

Source: Carga Pesada

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Leave a comment