Intermediário fica com o dinheiro do pedágio e caminhoneiro, com o prejuízo


Nelson Bortolin

 

Transportar grãos no Brasil é uma atividade cada vez mais difícil. Principalmente para o elo mais fraco da cadeia, que é o motorista. Estrada ruim, diesel caro, demora para carga e descarga são algumas de uma lista enorme de dificuldades. Pedágio não deveria ser problema para o caminhoneiro, já que a lei encarrega o embarcador desta despesa. Mas nem sempre o dono da carga assume sua responsabilidade. Algumas vezes, ele paga, mas um intermediário embolsa o valor. É o que conta o motorista paranaense Palmino Dias Durval. Ele conversou com a reportagem da Carga Pesada nesta quarta-feira (14) no Posto Cupinzão, em Cambé. Veja no vídeo.

Com a colheita atrasada, os transportadores de grãos vivem expectativas de melhora dos fretes. Segundo o último levantamento disponível do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), realizado na sexta-feira anterior ao Carnaval, apenas 28% da soja havia sido colhida no Estado. Já o Departamento de Economia Rural (Deral) do Paraná ainda nem divulgou o primeiro levantamento, mas a estimativa é de que a colheita ainda não tenha atingido os 5% do total plantado.

“A esperança é que melhore”, afirma José Bento Figueiredo, que é comissionado e trabalha para o cunhado. Na safra anterior, ele chegou a conseguir R$ 100 por tonelada no frete entre o Norte do Paraná e Paranaguá. Nesta quarta-feira, iria carregar por R$ 55. A expectativa dele é que a tarifa chegue pelo menos aos mesmos patamares de 2017 (veja entrevista no vídeo).

Já o sul-matogrossense Orlando Ramon Benites Junior, que na atual safra já carregou de Sorriso a Paranaguá por apenas R$ 180, conseguiu um valor bem melhor nesta semana: R$ 300. “Mas ainda é ruim por causa do preço do óleo diesel e pedágio”. Confira:

Source: Carga Pesada

Leave a comment